Avenida Otávio Santos, n° 309 - Recreio (77) 2101-2353 | (77) 98825-1082

O papel do Médico Patologista no Diagnóstico da tuberculose

abril 28, 2021

A tuberculose é uma doença de curso crônico, com alta mortalidade. Sua transmissão se faz através da inalação de gotículas contaminadas por uma Micobacteria que atinge os pulmões. Em vários casos o diagnóstico de certeza requer biópsia pulmonar ou de outros órgãos, e o médico patologista auxilia no diagnóstico, através do encontro de estruturas histológicas características desta doença (granulomas) e na identificação do Bacilo de Koch que é realizada por colorações específicas. Os bacilos podem ser visualizados no tecido e em material de secreção dos pulmões. Através destes achados, o patologista tem um importante papel, não só no diagnóstico do processo inflamatório, mas também auxiliando no diagnóstico diferencial com outras patologias, que possam cursar com quadro clínico semelhante.

Ele recebe uma amostra de tecido retirada (biópsia) e realiza uma análise quase artesanal, utilizando um microscópio e anos de estudo para emitir um laudo diagnóstico. Em alguns casos, somente o exame anatomo-patológico da biópsia permitirá o diagnóstico correto e liberação da medicação para o tratamento. Por sua atuação nos serviços de verificação de óbito, o patologista ainda é importante por diagnosticar e apontar as estatísticas de morbidade e mortalidade proporcionais relacionadas à doença, ajudando os programas de saúde pública a entenderem melhor a tuberculose e sua magnitude, buscando melhores tratamentos e políticas para proteger a população.

Compartilhar:

Este site preconiza que qualquer problema de saúde de um paciente deve ser resolvido por profissionais da área de saúde, durante consulta médica fora do âmbito virtual. Desta forma, todas as informações disponíveis neste site foram concebidas para apoiar, e não para substituir a consulta médica. Pelo mesmo motivo, este site não oferece serviços ou aconselhamento médico-profissional.
A informação médica via Internet pode complementar, mas nunca substituir a relação pessoal entre o paciente e o médico. Por uma questão de ética e de responsabilidade profissional não podem ser dadas consultas nem prescritos tratamentos médicos sem o exame pessoal do paciente. Procure sempre a orientação de um médico em quem você possa confiar e siga a sua orientação.